Up and Down: Dólar

Bom dia!

Bastante gente pedindo posts relacionados a finanças nos últimos tempos. Alem disso, trabalhando na industria do turismo, a pergunta mais frequente de todas é: “E o dólar? Sobe, desce? Compro agora, compro depois?!”.

Bom, em primeiro lugar não existe certeza no mercado. É tipo a pergunta do milhão, sabe? O que temos hoje é tendência, e eu vou explicar um pouco o que ela significa e para onde aponta.

blogmoney

Desde a crise de 2008 nos Estados Unidos, o governo lançou um pacote de ajuda conhecido como QE3, que consistia básicamente em injetar uma grande quantidade de dólares na economia, ou seja, imprimir dinheiro. O passivo do FED em 2008 era de USD800 milhões de dólares, hoje marca a casa dos USD4.5 trilhões.

A impressão desenfreada de dinheiro faz com que o valor agregado do mesmo diminua, lei da oferta e da procura. Por esse motivo, os EUA já estuda (e já coloca em prática) a retirada destes estímulos, ou seja, a quantidade de dólares no mercado vai diminuir, e com isso a moeda vai se valorizar.

A atual crise na Grécia também contribui, visto que o seu “calote”, e uma possível saída da zona do euro traz certa tensão ao mercado mundial, provocando uma procura intensa por investimentos seguros, e o dólar é uma moeda forte na economia mundial.

E para fechar com chave de ouro, temos a nossa própria crise. O PIB cresce (cresce?) pouco, a inflação esta elevada, e a nossa moeda que já é exótica (leia-se, usada apenas no Brasil) tende a sofrer desvalorização frente ao dólar. O ritmo de intervenção do Banco Central do Brasil ainda não esta definido.

Então, trocando em miúdos, no bom português o que tudo isso quer dizer? Quer dizer que infelizmente, a tendência do dólar é de subida. Mas, antes que você saia correndo para as casas de câmbio, muito água vai passar debaixo dessa ponte.. Um repique (overshooting) é previsto, levando o dólar tanto para um pico baixo, como até mesmo próximo aos R$4,00. Mas repito, não existe um número mágico para definir quanto o dólar irá valer no dia tal.

A melhor dica possível tanto para quem vai viajar como para quem precisa da moeda, é ficar de olho na cotação e montar um preço médio. Isso é, comprar um pouco aqui, mais um pouco ali, assim você não paga nem tão caro, mas também nem tão barato, fica em uma média boa. Não tente decifrar o próximo passo do mercado, apenas tenha em mente que a tendência é de alta, portanto cautela é a palavra de ordem.

E para quem ficou com alguma dúvida, manda pelos comentários ou pelo email que eu respondo!

Xoxo,

Victoria Renner.

Victoria Renner

Victoria Renner, gaúcha, formada em Direito, trabalhando no mercado financeiro e apaixonada pelo que faz. Como toda mulher, concilia seu tempo com moda, eventos, família, amigos, cuidados com o corpo, livros, música, viagens…UFA! Com tantas coisas acontecendo, aqui fica um pouco do meu dia a dia!

Comente! Seja o primeiro.